Não perca essa oportunidade! Preencha e receba agora mesmo os preços e detalhes:
Eu li e concordo com os Termos de Uso e a Política de Privacidade

Ligue já e agende sua consulta:

0800 608 2130 11 9-9734-6584

Estrabismo divergente: o que é e como tratar

Entenda o que é o estrabismo divergente e quais são os tratamentos possíveis.

O estrabismo é uma doença ocular em que um ou dois olhos possuem um desvio. Enquanto pacientes saudáveis movem seus olhos para a mesma direção, os pacientes estrábicos não conseguem focalizar em uma única direção.

Existem diferentes tipos de estrabismo, variando de acordo com a direção do desvio, com a frequência com que o desvio ocorre, e se atingem apenas um olho ou os dois. Confira agora o que é o estrabismo divergente e como é possível tratar este tipo do distúrbio.

O que é estrabismo divergente?

Um dos tipos de estrabismo é o divergente, também chamado de exotropia. Neste caso, o desvio do olho é horizontal, direcionado para as extremidades do rosto, em direção às orelhas. Assim como os demais tipos de estrabismo, ele pode ser desenvolvido em qualquer idade.

O estrabismo divergente mais comum é o intermitente, que é quando o desvio ocorre apenas sob algumas circunstâncias, como em uma fotografia, por exemplo. Assim, os olhos se desviam em momentos diferentes, e não constantes.

Principalmente em crianças, este tipo de estrabismo é notado quando os pequenos ficam cansados, com sono, doentes, distraídos, em situações que tenham mais dificuldades para controlar o desvio. Com a demora na percepção de que há falha, os desvios podem acontecer com mais frequência e se tornarem mais visíveis, ou ainda, se tornarem constantes. Por essa razão, é importante ter consultas regulares com um oftalmologista, para que o problema seja diagnosticado o mais cedo possível e tratado, evitando, inclusive, que ocorra ambliopia (diminuição da visão ou “olho preguiçoso”).

Como tratar o estrabismo divergente?

Uma das primeiras formas de se tratar o estrabismo é por meio do uso de óculos e tapa-olhos. Enquanto o primeiro corrige o grau do paciente, que é uma das causas do estrabismo (alto grau de hipermetropia), o segundo auxilia na estimulação da visão do olho que enxerga menos, tapando, assim, o olho que enxerga mais.

Mas, há casos em que será recomendada a cirurgia de estrabismo. Nela, os músculos que controlam os movimentos dos olhos são alterados, sendo fortalecidos ou enfraquecidos, conforme a necessidade. Assim, caso o músculo esteja contraído, “puxando” o olho para dentro, ele será enfraquecido e terá sua posição de fixação no olho alterada para mais para trás, deixando o olho mais relaxado. Já se o músculo estiver muito relaxado, ele será fortalecido – um pequeno pedaço seu será cortado, deixando-o menor e mais forte.

Como diagnosticar o estrabismo divergente?

O diagnóstico do estrabismo só é possível por meio de uma consulta com oftalmologista. É fundamental que o estrabismo seja tratado o quanto antes. O estrabismo divergente intermitente, por não ser constante, pode levar mais tempo para ser percebido.

A Central da Visão possui clínicas afiliadas em diversas cidades do Brasil com cirurgiões de estrabismo. Além disso, a Central da Visão negociou com suas clínicas afiliadas preços mais acessíveis para a consulta e a cirurgia de estrabismo. Para receber os preços clique aqui ou ligue 0800-608-2130.

Importante!

Esse texto busca sensibilizar os pacientes a buscarem tratamento oftalmológico. Só o médico oftalmologista é capaz de diagnosticar e indicar os tratamentos e/ou cirurgias mais indicadas. Texto revisado pela Dra.Bárbara Nazareth Parize Clemente, CRM SP: 169506, Título Especialista (RQE): 74181. Médica oftalmologista graduada pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde / PUC-SP, residência médica no Hospital de Olhos Aparecida, subespecialização pelo Instituto da Visão IPEPO.

Caso seja necessária alguma retificação desse conteúdo, por favor, ligue grátis para 0800-608-2130.

Ligue grátis: 0800 608 2130