Não perca essa oportunidade! Preencha e receba agora mesmo os preços e detalhes:
Eu li e concordo com os Termos de Uso e a Política de Privacidade

Ligue grátis de qualquer telefone ou celular:

0800 608 2130 11 9-9734-6584

Estrabismo: entenda as causas

Veja quais são as causas do estrabismo, o distúrbio que afeta o alinhamento dos olhos.

O estrabismo é uma doença oftalmológica em que os olhos não conseguem focar em uma única direção por não estarem paralelos, apontando cada um para uma direção diferente. Ele pode ser convergente, que é quando os dois olhos apontam para o centro do rosto, divergente, quando os olhos apontam para os cantos externos do rosto, ou ainda vertical, quando os olhos apontam para cima ou para baixo. Além disso, o paciente pode ter estrabismo em um único olho ou nos dois, alternando entre si.

Muito comum na infância, esse distúrbio também pode surgir em adultos, embora isso seja raro. Entenda as razões que levam a este problema.

Quais são as causas do estrabismo?

Seis pares de músculos são responsáveis pelo movimento dos olhos. Esses músculos são comandados pelos nervos cranianos, ligados ao sistema nervoso central. Sendo assim, para que os olhos fiquem paralelos, é preciso que os músculos estejam em sincronia. No caso do estrabismo, alguns fatores interferem no movimento dos músculos, fazendo com que eles percam a sincronia.

Entre as possíveis causas, estão a dificuldade motora para coordenar o movimento dos dois olhos; a baixa visão em um dos olhos; um alto grau de hipermetropia (dificuldade em enxergar de perto), o que acaba forçando a aproximação dos olhos para compensar a dificuldade de visão (o estrabismo causado por este fator é chamado de estrabismo acomodativo); doenças neurológicas, como AVC e paralisia cerebral; doenças genéticas que interfiram no sistema nervoso, como a Síndrome de Down; doenças oculares, como catarata congênita, que se assemelha à catarata normal, mas atinge bebês recém-nascidos; doenças infecciosas, como meningite e encefalite; problemas da tireoide; diabetes; e hereditariedade.

Desta forma, apesar de ser raro um adulto adquirir estrabismo, é possível que aconteça, principalmente por doenças neurológicas, problemas vasculares, como trombose, e por conta de traumatismos cranianos.

Quais são os sintomas do estrabismo?

O sintoma mais comum do estrabismo em adultos é a visão dupla, também chamada de diplopia, e o mais evidente é o não alinhamento dos olhos. Além disso, o paciente também pode sentir dor de cabeça, fadiga ocular ou vista cansada e sensação do olho estar “vagando”. Ainda, é comum que pessoas estrábicas fechem um dos olhos e inclinem o pescoço para um dos lados, tentando compensar o desvio e enxergar melhor, o que acaba causando torcicolo.

Só tem diplopia quem antes não tinha estrabismo e de repente passou a ter. A criança não tem diplopia, pois o cérebro “desconsidera” a imagem do olho desviado, enxergando sem visão dupla.

O estrabismo tem cura?

Sim, o estrabismo pode ter cura, porém, para que o tratamento seja útil, o ideal é que seja feito o quanto antes. Assim, os tratamentos dependem do tipo do distúrbio e de sua causa. É normal que oftalmologistas recomendem exercícios oculares, o uso de tampões no olho bom, de modo a estimular o olho que possui o desvio, ou ainda, o uso de óculos ou óculos especiais com prisma. Também é possível injetar toxina botulínica (botox), que paralisa partes do músculo ocular, permitindo o reequilíbrio dos músculos e o alinhamento dos olhos. O paciente também pode se submeter a cirurgia de estrabismo, que corrige os músculos responsáveis pelo movimento dos olhos.

A Central da Visão possui clínicas afiliadas em diversas cidades do Brasil com cirurgiões de estrabismo. Além disso, a Central da Visão negociou com suas clínicas afiliadas preços mais acessíveis para a consulta e a cirurgia de estrabismo. Para receber os preços clique aqui ou ligue 0800-608-2130.

Importante!

Esse texto busca sensibilizar os pacientes a buscarem tratamento oftalmológico. Só o médico oftalmologista é capaz de diagnosticar e indicar os tratamentos e/ou cirurgias mais indicadas. Texto revisado pela Dra.Bárbara Nazareth Parize Clemente, CRM SP: 169506, Título Especialista (RQE): 74181. Médica oftalmologista graduada pela Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde / PUC-SP, residência médica no Hospital de Olhos Aparecida, subespecialização pelo Instituto da Visão IPEPO.

Caso seja necessária alguma retificação desse conteúdo, por favor, ligue grátis para 0800-608-2130.

Clique e ligue grátis de qualquer celular: Ligue grátis: 0800 608 2130